Páginas

6 de ago de 2015

O Último Sol/ The Last Sun Photojournalistic Series: For Quim Buckland









Simplesmente fiquei subitamente encantado pela cena que se desdobrara diante de mim cujas fotografias retratam com fidelidade, um cenário único e ao mesmo tempo perturbador no tocante a indagar: O que de fato é felicidade?

Tarde de quarta feira, depois de gravarmos uma parte do musicalizando na Rodoviária de Pedreiras nos dirigimos para um local um tanto distante do centro, um morro um bem alto que fica localizado no bairro Maria Rita. Esse é um lugar incrível, de uma vista única e de um pôr do sol digno de poesia. À medida que subimos a cidade ela parecia tornar-se pequena até que alcançamos o alto, recepcionados por um sol a quase se despedir. Estacionamos e demos alguns paços à procura de um bom lugar para gravar, foi então que uma criança me chamou a atenção, mas não uma, muitas, a brincarem na terra, montes de terra feitos pelas máquinas que transformam o lugar. 

Ao ver a cena delas se jogando terra rapidamente entendi que aquilo precisava ser registrado, o pó se espalhando no ar, os semblantes de alegria e espontaneidade que escodem certamente uma vida marcada pela opressão, estigmas e busca por igualdade. 

 É simplesmente incrível imaginar que eles se adaptam as possibilidades, provam que pobre rir, pode ser feliz, pode se divertir e não, isso nada tem a ver com ter um tablet ou uma conta no instagram. Já ouvi muitas vezes que pobre não é feliz, não tem cultura ou diversão, na verdade pobre tem que se virar, fazer do riso bala, tem que ser criativo na ausência do Estado. 

Decidi dar a essa série o titulo “O Último Sol” em alusão as inúmeras transformações que o lugar sofre tendo em vista tornar-se espaço para a construção de grandes e caras casas, a vista que é democrática logo será artigo de luxo e privilégio de quem pode morar ali. Cabe salientar que o entorno já sofre os resultados da desenfreada ação humana, somada a falta de fiscalização e investimentos em infraestrutura por parte do poder público. 

Parece ironia, quem já não vê o sol brilhar não poderá vê-lo morrer, o dinheiro não compra tudo, mas compra um pôr do sol! 

Quim Buckland
Fotógrafo

Atenção: A Lei do Direito Autoral nº 9.610 de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução ou divulgação com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive internet, sem prévia consulta e aprovação do autor.


























Nenhum comentário:

Postar um comentário